Categorias
Blog

Conheça algumas das espécies de formigas comuns no Brasil

As formigas são os insetos que têm o maior número de espécies. Estima-se que são cerca de 20 mil espalhadas pelo mundo, que compartilham várias características.

Vivem em colônias, trabalham em equipe e sua anatomia é parecida em todas as espécies, com divisões em três partes: cabeça, tórax e abdômen. Além disso, possuem um par de olhos, que detectam movimentos, antenas, para procurar por alimentos, e um par de mandíbulas, usadas para defesa, escavação e captura de comida.

No entanto, existem diversas diferenças entre cada espécie de formigas comuns em solo brasileiro. Abaixo listamos as principais delas:

Formiga-de-fogo

Espécie comum nas cidades, a formiga-de-fogo é uma praga comum em diversos lugares do mundo e, atualmente, é um dos insetos mais estudados por especialistas.

Atraída por carnes ou óleos, é agressiva e tem uma picada dolorosa, que pode causar alergias. Os formigueiros dessa espécie são encontrados, geralmente, em gramados abertos ou beiras de estradas e as colônias podem ter mais de uma rainha.

Formiga-carpinteira

Como o nome já indica, esta espécie de formiga deteriora madeira para construir seus ninhos. As operárias têm coloração que varia do amarelo ao preto e preferem se alimentar com comidas doces.

São extremamente fortes – quando se sentem ameaçadas, costumam picar – e preferem formar suas colônias em lugares como troncos de árvores ou madeiras apodrecidas. No entanto, esse fator não as impede de se alocar nos espaços entre pisos de decks de madeira, embaixo de móveis e em rachaduras de paredes.

Formiga-saúva

Também conhecidas popularmente como formigas-cortadeiras, cabeçudas e tanajura, variam em tamanho, já que existem mais de 200 espécies que se encaixam dentro da categoria dessa formiga.

Os formigueiros da saúva, localizados no meio de campos e lavouras, são reconhecíveis devido à abundância de terra utilizada para a sua formação. O principal alimento dessa espécie é um fungo criado a partir de pedaço de folhas cortadas pelas operárias. Todos os pedaços de plantas obtidos por elas são levados até o formigueiro e servem de substrato para o cultivo do fungo que as alimenta.

Formiga-fantasma

Essa espécie é muito pequena, com cerca de 1,5 milímetro de comprimento. Seu nome foi dado a partir de sua aparência, com o interior transparente e patas muito claras, quase imperceptíveis.

A reprodução das formigas–fantasmas é muito acelerada e são adaptáveis a diversos tipos de ambientes, tanto dentro quanto fora de casa. Seus lugares favoritos são atrás de azulejos, batentes e rodapés.

Graças a seu tamanho, as formigas podem parecer inofensivas, mas esses insetos também representam ameaças. Por serem pequenas, andam pelas mais diversas superfícies e trazem consigo diversos germes e vírus que que podem transmitir doenças como gripe, tuberculose, intoxicações alimentares, vômitos e diarreias.

Proteja o bem-estar da sua família com a Dteca. Solicite um orçamento agora!

 

Categorias
Blog

Revoada de cupins: saiba mais sobre essa praga

A primavera está chegando e com ela a temporada de revoada de cupins. Uma colônia desses insetos é capaz de destruir a estrutura de um móvel, pisos, portas e janelas em questão de meses, e nem todas as pessoas sabem que soluções simples podem evitar dor de cabeça e gastos extras.

Abaixo listamos algumas curiosidades, fatos e dicas de prevenção contra o ataque dos cupins:

Qual é a época de revoada dos cupins?

A primavera, que, neste ano, vai de 22 de setembro a 21 de dezembro. As revoadas podem se estender mais algumas semanas, pelo verão.

Por que a revoada ocorre?

Porque os cupins reprodutores, machos e fêmeas, deixam a colônia para acasalamento. Eles criam asas e voam na busca de parceiros. Os casais, já no solo, procuram um local para formar a nova colônia.

Aleluia, siriri e cupim são a mesma coisa?

Aleluia, ou siriri, é o nome dado ao cupim em sua fase alada.

Quais são os tipos de cupins?

Há várias espécies, três delas mais comuns nas cidades: o cupim arbóreo, o de madeira seca e o subterrâneo. Este último é o mais perigoso e causa mais danos às madeiras dentro de casa.

Qual o período do dia em que há mais riscos?

Geralmente à noite, porque os insetos são atraídos pelas luzes das casas e invadem os imóveis em grupos.

Cupim come cimento?

Não. O inseto pode, porém, excepcionalmente, “abrir caminho” por estruturas menos duras de alvenaria. O pó de cimento deixado para trás criou esse mito.

Cupim come livro ou roupa?

Sim. Há espécies que comem celulose (livros, jornais, papéis, papelão) e até alguns tipos de tecidos.

Quais as melhores formas de prevenir a infestação de cupins?

1) Colocar telas nas portas e janelas de casa

2) Escolha madeiras tratadas em autoclave e mais resistentes

3) Use cupinicida preventivo: há produtos específicos no mercado para evitar infestações em forros, estruturas, móveis, esquadrias e pisos

4) Envernize sempre os móveis e outros itens de madeira para oferecer proteção extra contra ataques

5) Não acumule objetos de madeira, como caixas e móveis velhos, nem livros ou papéis em um canto ou quarto da casa

6) Promova a dedetização regular de sua casa

fonte: Bem Paraná

 

Categorias
Blog

Cuidados a serem tomados na dedetização residencial

A dedetização residencial é um passo certeiro na prevenção contra o aparecimento de pragas e na preservação do bem-estar da sua família.

No entanto, existem algumas medidas e cuidados que precisam ser tomados para que a dedetização seja verdadeiramente eficiente ao longo prazo, como criar barreiras físicas nos possíveis locais de entrada dos insetos, eliminar a sujeira e conservar os alimentos em locais bem fechados.

Em alguns casos, como o tratamento de pulgas, carrapatos e cupins, há a necessidade de ficar afastado por no mínimo 6h. Já em relação à dedetização residencial que utiliza líquidos, algumas medidas devem ser tomadas antes e depois da realização do serviço:

  • Todos os animais domésticos, incluindo peixes em aquários, devem ser afastados por até 48 horas;
  • Mínimo de 6 horas afastados do imóvel;
  • Alérgicos, idosos e grávidas devem ficar afastados por 24 horas do local tratado;
  • Jogue fora materiais e objetos que não são mais úteis, especialmente se estiverem guardados em despensas e áreas de serviço, locais que são focos comuns de pragas;
  • Desative a ventilação mecânica da casa como ar-condicionados, ventilador a até filtro de ventilação de aquários e viveiros, porque  partículas de inseticidas podem ficar retidas nesses lugares.

Ao tomar essas medidas, sua casa está pronta para o serviço de dedetização da Dteca! Solicite um orçamento agora!

Categorias
Blog

Saiba mais sobre os escorpiões

O corpo dos escorpiões é igual ao das aranhas, com uma única diferença: o abdome é dividido em duas partes, pré-abdome e pós-abdome. No pós-abdome, encontra-se a glândula que produz o veneno, que o animal injeta na vítima com um aguilhão.

O maior de todos os escorpiões pode atingir até 21 cm e o menor chega no máximo a 12 mm quando adulto.

Os escorpiões se destacam entre os aracnídeos por terem uma duração de vida que vai além de uma estação. Sua longevidade vai dos 2 aos 6 anos. O maior tempo de vida registrado para um escorpião chega até 8 anos.

Os escorpiões podem viver tanto em lugares desertos quanto nas matas. Vivem também debaixo de pedras, tijolos, telhas e nas fendas das árvores. Acumular entulhos de obras e lixo em quintais e terrenos baldios onde se propaga insetos que constituem um ótimo ambiente para os escorpiões que encontram uma dieta constituída de: aranhas, baratas, grilos e moscas. Quando não encontra comida, os escorpiões praticam o canibalismo, isto é, devoram-se uns aos outros.

O atributo mais notório de um escorpião é seu ferrão venenoso. O veneno dos escorpiões é neurotóxico. Sua ação é muito rápida e forte. A dor é intensa se irradiando por todo o corpo da vítima. Agindo especialmente sobre o sistema nervoso, pode causar a morte por asfixia, pois os comandos que controlam a respiração ficam bloqueados. O soro anti-escorpiônico é o único remédio eficaz contra as ferroadas dos escorpiões. Todas as espécies de escorpião são venenosas.

Entre as cerca de 1050 espécies conhecidas, apenas um pequeno número é perigoso para os seres humanos a maioria produz uma reação semelhante à da ferroada da abelha, que é muito dolorosa, embora geralmente não ofereça perigo de morte.

Para os insetos, que são alimento potencial de escorpiões, todos os escorpiões são mortalmente venenosos.

fonte: Fio Cruz

 

Categorias
Blog

Saiba quais são algumas doenças transmitidas pelos ratos

Os ratos são uma ameaça sanitária, especialmente nos primeiros meses do ano. Quando o clima se torna mais chuvoso, os ratos saem dos bueiros em busca de abrigo e podem infestar casas e estabelecimentos.

Confira abaixo algumas das doenças que podem ser transmitidas pelos ratos.

Leptospirose: doença causada por bactérias que ficam alojadas nos rins dos roedores, são transmitidas pela urina dos ratos e infectam humanos pelas mucosas ou através de algum machucado. Quando ocorrem enchentes, aumentam os casos de leptospirose.  

Peste bubônica ou peste negra: a peste bubônica matou milhões de pessoas durante a Idade Média e, até hoje, continua infectando pessoas e, se não tratada, pode levar à morte. Essa doença é transmitida pelas pulgas dos ratos.

Tifo murino: Assim como a peste bubônica, essa doença também é transmitida pelas pulgas dos ratos e tem como sintomas, febre, dor de cabeça e calafrios, seguidos de uma erupção cutânea.

Febre da mordida do rato: causa pela mordida do roedor, é transmitida através da ingestão de alimentos infectados ou pela saliva dos ratos. Causa febre, vômitos e dores musculares e, se não tratada, pode evoluir para pneumonia e, até mesmo, infartos.
Hantavirose: Passada por meio das fezes ou urina dos ratos, a hantavirose causa uma virose que pode ser mortal se não tratada.

 

Mantenha sua família protegida da ameaça dos roedores com a Dteca.

#AcerteNoAlvo


Categorias
Blog

Por que infestações de formigas são tão comuns?

Pense na seguinte situação: você fez um bolo delicioso e o deixou em cima da mesa, esperando o momento ideal para poder comê-lo. Quando voltou para a cozinha, se deparou com centenas de formiguinhas grudadas na cobertura do bolo, que se tornou incomível.

Todo mundo já passou por uma situação parecida. As formigas são as pragas urbanas mais comuns e estão por toda parte. Na sua busca ininterrupta por comida, porque percorrem os ambientes em busca de seus alimentos favoritos, especialmente aqueles que contém sacarose, elas infestam casas e apartamentos e causam uma grande dor de cabeça.

Apesar de, aparentemente, serem inofensivas, podem transmitir doenças, já que circulam por várias superfícies e espalham vírus, bactérias e microrganismos por onde passam, incluindo nos alimentos que podem ser ingeridos pelos seres humanos.

Categorias
Blog

Quais doenças podem ser transmitidas pelas baratas?

Causadoras de muita fobia e o alimento favorito dos escorpiões, as baratas são uma das pragas mais comuns que aparecem no dia a dia e que podem transmitir diversas doenças.

1 – Hepatite A

O vírus da hepatite A é causador de uma infecção no fígado altamente contagiosa que se espalha por alimentos, água ou pelo contato com uma pessoa infectada. Como as baratas andam por toda a parte, podem transmitir o vírus que se aloja em suas patas e se espalha por onde passam.

Dentre os sintomas da hepatite A estão fadiga, náuseas, dor abdominal, perda de apetite e febre baixa.

2 – Febre Tifoide

A febre tifoide é causada pela bactéria Salmonella enterica typhi transmitida por alimentos ou água contaminados pelo contato com as baratas.

3 – Diarreia

A diarreia pode ser causada pelo contato das baratas com alimentos e água. Uma das complicações mais graves desse quadro é a desidratação

Categorias
Blog

As pragas de cada época do ano

A prevenção e controle das pragas urbanas é muito mais eficiente quando entendemos o comportamento desses animais. Apesar de poderem incomodar durante o ano inteiro, principalmente pelo fato do Brasil não ter estações do ano bem definidas, existem determinadas épocas em que algumas espécies se reproduzem mais rapidamente e apresentam mais chances de infestar sua casa ou estabelecimento.

Por isso, preparamos este guia para explicar quais são os meses de proliferação de cada praga e facilitar o planejamento para o controle, que para ser mais eficiente, deve ser feito durante os períodos em que a praga estiver fora de seu período de maior densidade, como prevenção para futuras infestações e dores de cabeça para você e sua família.

Dezembro, Janeiro, Fevereiro – Insetos (baratas, mosquitos e moscas) e roedores

O verão é um período úmido e, consequentemente, de proliferação de baratas, moscas e mosquitos, entre eles o aedes aegypti, causador da dengue.

Além disso, por causa do alto volume de chuvas e a quantidade cada vez maior de lixos entupindo bueiros, enchentes e alagamentos são mais comuns e as ratazanas que moram nos esgotos saem de suas tocas. Na busca por abrigo, nadam e urinam nas águas das enchentes que, ao entrarem em contato com os humanos, podem transferir a leptospirose.

Março, abril e maio – mosquitos

Depois do período de chuvas do verão, o outono chega com a eclosão dos ovos postos pelos mosquitos em água parada. É muito comum, durante estes meses, haver um grande aumento no número de casos de dengue devido à esse fator.

Portanto é essencial prestar atenção na existência de focos de água parada em casa e no quintal, manter os sacos de lixo sempre bem fechados e vedar bem cisternas e caixas d’água.

Junho, julho e agosto

O pensamento de que as pragas se proliferam somente nos meses mais quentes e úmidos do ano é muito comum e as pessoas acham que podem relaxar no período e deixar a prevenção para depois. Ledo engano!

O inverno é o momento ideal para se concentrar no controle das pragas e eliminar os criadouros porque, graças às condições climáticas, a prevenção nesse período é muito mais simples e os resultados têm mais chances de sucesso.

Apesar do metabolismo das pragas estarem mais lentos por causa do clima e sua reprodução, consequentemente, desacelerada, surge uma grande ameaça entre o final do inverno e início da primavera: os cupins.

Setembro, outubro, novembro – cupins e o despertar do metabolismo das pragas urbanas

O período de revoada dos cupins acontece entre agosto e outubro. Após se acasalarem, os cupins perdem suas asas e se alojam em locais que possuem madeira para formar seu ninho. Se não forem eliminados, os cupins destroem móveis e papéis, por se alimentarem de celulose.

Se você notar um pozinho granulado nos seus móveis ou túneis, que podem indicar a presença de ninhos de cupins subterrâneos, entre em contato imediatamente com a Dteca que estaremos preparados para te ajudar.

Além de se prevenir contra os cupins, a primavera também é o momento de prestar atenção, fazer uma limpa no quintal e inspecionar toda a casa na procura por possíveis ninhos ou então locais que podem se tornar criadouros de pragas como escorpiões, formigas e ratos.

Categorias
Blog

Como agir se você encontrar um escorpião

O escorpião é um artrópode da mesma família das aranhas. É conhecido por sua cauda, que termina em um ferrão provido de veneno. Se, por algum motivo, você se deparar com um, deve saber como agir. Neste artigo explicaremos como.

Identifique se o escorpião é venenoso ou não

Das 1,4 mil espécies de escorpiões existentes no mundo, apenas algumas produzem um veneno perigoso para os seres humanos. Claro que, em qualquer caso, a picada é dolorosa e provoca ardência, mas isso nem sempre é fatal.

A observação do escorpião é fundamental para determinar se é venenoso ou não. As pinças são a chave: os espécimes que injetam essa substância prejudicial têm pinças finas e compridas. Aquelas que não são consideradas perigosas têm grampos largos e curtos.

Onde os escorpiões vivem

É mais comum encontrá-lo em áreas urbanas do que no campo; já que neste último ele sabe bem onde se esconder ou como se camuflar.

Geralmente aparece em lugares escuros e úmidos, como armários, gavetas, dentro de sapatos ou entre panelas. Preferem lugares tranquilos e arejados; por isso, devemos ter cuidado também se deixarmos roupas no chão por vários dias.

Nas casas e em apartamentos, eles podem entrar pela pia ou pelos canos do banheiro; portanto, recomenda-se cobri-los corretamente. Eles também podem entrar sob portas ou através de janelas abertas. Vedar essas passagens é uma boa maneira de mantê-los fora de nossas casas.

Como agir se encontrarmos um escorpião

No caso de avistarmos o animal, devemos procurar maneiras de prendê-lo e levá-lo para um centro especializado, como o de zoonoses ou laboratórios de doenças infecciosas. Identificar qual é a espécie pode nos ajudar no caso de ele ter mordido alguém ou mesmo impedi-lo de fazer isso no futuro.

Uma boa maneira de capturá-lo é com um frasco grande de vidro: cubra-o com cuidado e use pinças para manipulá-lo. Nunca o pegue com as mãos.

Você pode usar um papelão ou algum material grosso para colocá-lo no recipiente. Cubra a garrafa e faça um buraco para que o animal possa respirar.

Se você não tiver coragem para executar essa técnica, pode tirar uma foto ou várias de diferentes ângulos. Leve-as ao centro especializado, onde eles informarão se é uma espécie venenosa. Faça o seu melhor para não matá-lo, especialmente se ele tiver mordido alguém. A única maneira de saber se ele é perigoso ou não é através do conhecimento de um profissional.

fonte: My Animals

Categorias
Blog

A revoada dos cupins na primavera e no verão

A revoada dos cupins ocorre na primavera e no verão. São nestas estações do ano que os cupins se acasalam. Nas épocas úmidas milhares de reprodutores se preparam para a revoada, nestes períodos que eles geram novas colônias – que podem estar em sua residência ou empresa. 

As revoadas são formadas pelos machos e fêmeas reprodutoras. Eles deixam seus respectivos ninhos em busca de um companheiro para iniciar uma nova colônia. 

Sob ação de hormônios sociais específicos dos cupins, as formas aladas são enviadas a compartimentos subterrâneos. Após a entrada o cupinzeiro é fechado por centenas de cupins operários, provocando uma compressão dentro das câmaras de espera. 

Em um determinado momento os cupins que estão trancados dentro do cupinzal começam uma intensa vibração com as asas, provocando um aumento da temperatura interna do cupinzal. Neste momento os cupins  operários, abrem a saída e milhares de casais saem em revoada numa gigantesca e efêmera nuvem de insetos. 

Chamados popularmente de cupins, esses insetos da ordem Isóptera, são conhecidos como aleluias, siriri ou sarará em algumas regiões do Brasil. Os isópteros são insetos sociais como as abelhas e formigas. 

Atualmente, existem mais de duas mil espécies de cupins catalogados em todo o planeta. O traço comum entre as várias espécies é que todas se alimentam de estruturas ricas em celulose encontradas na madeira, papel, telas, tecidos, e gesso. 

As madeiras estão suscetíveis ao ataque de várias espécies de cupins. Quando o ataque é realizado por cupins de madeira seca, o primeiro sinal é aquele pozinho de minúsculos em forma de grãos duros que aparecem no chão próximo aos móveis.

Empresas especializadas em descupinização podem tratar o solo da obra com uma substância que mata ou repele os cupins. Esse tratamento geralmente oferece proteção contra cupins por um período de pelo menos cinco anos. 

Controle de Pragas

Para que o controle de pragas tenha êxito a primeira coisa a se fazer é identificar qual seu tipo específico e em seguida adotar uma estratégia de controle correta para sua residência, empresa ou indústria fique livre da praga em questão. É de suma importância o monitoramento e a prevenção para que a praga não retorne.

Os ambientes urbanos têm uma vasta rede de esgoto e uma enorme quantidade de lixo, esses dois fatores quando não são administrados de forma correta criam um ambiente ideal para as tão indesejadas pragas. 

Elas comem de tudo e o lixo que produzimos é uma excelente fonte de alimento, assim como ambientes caseiros, onde eles encontram proteínas, carboidratos, gorduras e água, ou seja, alimentos necessários para a sua sobrevivência.

Por isso a melhor forma de combatê-los é, sem dúvida, a prevenção e muitos dos problema poderiam ser evitados com a ajuda da população. Muitas das campanhas governamentais como as relacionadas a dengue, por exemplo, com a divulgação e engajamento da população, fizeram com que caísse drasticamente o número de casos da doença, mas não se pode baixar a guarda. 

fonte: Portal Terra

foto: Acervo Paticular Dino veiculada no Portal Terra