Categorias
Blog

Dedetização ou Desinsetização: qual é o termo correto?

Você sabia que, embora seja amplamente divulgado, o termo dedetização já caiu em desuso?

Atualmente, o nome correto para designar o processo do controle de pragas urbanas é desinsetização.

As duas nomenclaturas fazem confusão, uma vez que o termo dedetização se tornou popular. Já o termo desinsetização, mesmo sendo o correto, é pouco conhecido.

A origem do termo dedetização 

O termo dedetização vem de DDT (diclorodifeniltricloroetano), um dos inseticidas mais conhecidos de todos os tempos, que foi muito utilizado durante a Segunda Guerra Mundial.

Em 1948, o químico suíço Paul Hermann Müller recebeu o Prêmio Nobel de Medicina por descobrir a eficácia desse composto no combate de mosquitos causadores de doenças como a Malária.

O DDT é um químico barato e eficiente no curto prazo. Porém, após décadas de uso descobriu-se o quanto era prejudicial para o meio ambiente e para o ser humano.

Sendo assim, o inseticida passou a ser proibido em diversos países a partir da década de 1970.

No Brasil, o DDT passou a ter sua fabricação, importação, exportação, manutenção em estoque, comercialização e uso proibidos por um decreto de lei em 2009.

Com a descontinuidade do composto, o termo dedetização deixou de fazer sentido, sendo substituído por termos como desinsetização ou desinfestação.

A mudança não ficou apenas na nomenclatura. A forma como as infestações são controladas também passou por transformações.

Por: Lucas Ferreira com informações da Biológica

Categorias
Blog

Por que você deve manter a sua caixa d’água sempre limpa?

Muitas pessoas sabem da necessidade e importância de realizar a limpeza da caixa d’água. Afinal, além de garantir a potabilidade da água no consumo diário, manter essa limpeza em dia é atestar que sua empresa ou família não terão sua saúde exposta a resíduos que podem causar doenças.

Mas, você se lembra da última vez que fez a limpeza da caixa d’água?

Caso não saiba, mesmo recebendo somente água tratada, é essencial fazer uma faxina no seu reservatório com uma certa frequência. Isso porque, após algum tempo de uso, todas as caixas d’água começam a sofrer com o acúmulo de sujeiras, que chegam pela tubulação que atravessa toda a cidade e se instalam no fundo da caixa.

Por consequência, a falta de higienização adequada pode gerar o surgimento de bactérias e protozoários nocivos à saúde e ainda, entupimentos nos encanamentos da residência.

Os reservatórios destampados, correm um risco maior ainda. Justamente por se tornarem criadouros do Aedes aegypti, o mosquito da dengue.

Como deve ser feita a limpeza de caixa d’água?

Em ambientes comerciais pequenos, recomenda-se aplicar os seguintes métodos para a uma limpeza de caixa d’água eficaz:

  • Feche bem o registro, para impedir a entrada de água no reservatório;
  • Esvazie a caixa d’água, deixando apenas um pouco de água;
  • Tampe a saída da caixa quando estiver quase vazia, para evitar que a sujeira não desça pela tubulação;
  • A partir daí, limpe bem as paredes e o fundo da caixa com panos e escova macia para limpeza;
  • Nunca use detergente ou qualquer tipo de sabão;
  • Remova a água e o produto utilizado na limpeza, com panos e baldes;
  • Para higienizar e desinfetar os canos: Encha a caixa e despeje 1 litro do produto específico para cada 1.000 litros de água. Aguarde 2 horas, feche a entrada de água e esvazie o reservatório novamente;
  • Lacre totalmente a caixa d’água para impedir o acesso de insetos ou pequenos animais;
  • Em seguida, abra a entrada de água. Pronto, limpeza feita!

Evite a contaminação cruzada

Quando deixamos de realizar a limpeza de caixa d’água ou fazemos de forma incorreta, o abastecimento de água pode ser facilmente contaminado por bactérias e poluentes que ficam armazenados dentro do reservatório.

Desse modo, a higienização dos tanques de abastecimento deve ser feita com produtos autorizados e com técnicas que evitem o acúmulo de sujeira nas tubulações e assim, não ocorram entupimentos.

A ajuda de uma empresa especializada faz toda diferença

Para garantir a eficiência e segurança do procedimento recomenda-se contratar uma empresa especializada na limpeza de caixa d’água para realizar:

  • Esvaziamento correto do reservatório;
  • Retirada do lodo para evitar a entrada de sujeira nas tubulações;
  • Remoção de manchas e sujeiras;
  • Enxágue com água e mais um esvaziamento;
  • Escovação da tampa e paredes internas;
  • Fechamento da entrada de água;
  • Vedação com lacre e cadeado para impedir o acesso de qualquer ser estranho.

Após a limpeza: Realizar a impermeabilização da caixa d’água reforça o tratamento

A necessidade da impermeabilização do reservatório surge com o passar do tempo, onde as estruturas das caixas d’água começam a sofrer desgastes, normalmente detectados pela descamação de seu revestimento interno ou até mesmo surgimento de pequenas fissuras que podem aumentar.

Ao longo do tempo, isso pode ocasionar infiltrações de água pela estrutura, provocando danos em outros locais como paredes da construção, lajes e pisos.

O procedimento garante maior segurança e durabilidade da caixa d’água de modo a evitar possíveis infiltrações, vazamentos ou desperdícios. Além disso, a impermeabilização apresenta menor risco de acúmulo de sujeira nos reservatórios.

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o intervalo adequado entre uma limpeza e outra é de no máximo seis meses.

Com a limpeza de caixa d’água e a preservação de sua potabilidade, é possível prevenir doenças transmitidas por pragas urbanas como insetos e pequenos animais, por meio do contato direto com a água.

Por: Lucas Ferreira com informações da Byeinsect

Categorias
Blog

Como proteger a sua casa das pragas durante o outono?

O outono é comumente caracterizado pelas mudanças climáticas que refletem diretamente na saúde das pessoas, principalmente pelo aparecimento de doenças respiratórias. Entretanto, devido à instabilidade das temperaturas e períodos de chuva, as pragas urbanas se tornam uma grande ameaça.

Isso acontece porque, nos climas mais quentes ocorre maior incidência de aparecimento de pragas urbanas por ser a época ideal para o acasalamento. Com as temperaturas amenas do outono, elas buscam por lugares quentes e seco como abrigo para fugir do frio.

Ao encontrar um local seguro para abrigo e proteção contra frio e chuva, as pragas urbanas dão continuidade à sua reprodução em espaços muitas vezes esquecidos, como depósitos, sótãos, assoalhos, fendas nas paredes, pequenos buracos, pisos e forros.

É interessante entender que o metabolismo das pragas urbanas não é alterado em climas apropriados para reprodução, elas se multiplicam com facilidade e com isso, aumentam a infestação.

Alguns tipos de insetos são atraídos por cores específicas. Exemplos disso são percevejos e moscas que centralizam-se em superfícies mais claras. Sem contar que, eles podem se concentram em grandes grupos, em locais como fachadas com orientação solar sul e oeste.

Assim, nesta época do ano, é comum observarmos a migração de pragas como: diversos tipos de insetos, inclusive o causador da Dengue, Febre Chikungunya e Zica Vírus; Ratos e retazanas; Percevejos das camas; baratas e pulgas.

Como prevenir a invasão de pragas urbanas nesta época do ano.

  • Substitua telhas e calhas quebradas, para que não sirvam de abrigo para as pragas;
  • Examine com frequência calhas e canos, retirando pedras e folhas que as obstruem e possam a vir gerar o acúmulo de água;
  • Evite o acúmulo de lixo e água parada;
  • Mantenha todos os ambientes organizados e limpos;
  • Armazene os alimentos corretamente em recipientes bem vedados;
  • Limpe o jardim e conserve a grama sempre bem aparada.

É fundamental prevenir e controlar o aparecimento de pragas urbanas de maneira eficiente para garantir melhor qualidade de vida e assim, preservar a saúde humana.

Por: Lucas Ferreira com informação da Bye Insect

Categorias
Blog

Como evitar a dengue no verão? E no ano todo.

O Verão e a Dengue

Com as chuvas mais constantes no verão, os cuidados com os focos de dengue devem ser redobrados. A prevenção é feita de maneira bem simples, por meio da eliminação de objetos que acumulam água parada, como pneus, garrafas e plantas.  

Entretanto, não é apenas no verão que os cuidados devem ser tomados. O mosquito transmissor da dengue e outras doenças, se reproduz o ano inteiro, basta uma tampinha de refrigerante com água dentro.

Além de você e da sua casa, é importante que aqueles que moram no seu bairro também tenham cuidados, somente assim é possível reduzir as chances de transmissão e proliferação. Confira algumas medidas simples para prevenção: 

 

1 – Não deixe água parada

O aedes aegypti (mosquito transmissor) se prolifera em locais com água parada, por isso esse deve ser o primeiro e essencial cuidado para evitar a reprodução do mosquito:

  • Mantenha os pratos de vasos de flores com areia;
  • Guarde garrafas com a bora virada para baixo;
  • Limpe calhas e canos;
  • Não jogue lixo em terreno baldio;
  • Coloque o lixo em sacos fechados;
  • Mantenha os pneus em abrigos para chuva e água;
  • Fure latas de alumínio antes de realizar o descarte;
  • Ao avistar um terreno baldio com lixo acumulado e objetos que possam acumular água avise as autoridades competentes, como a Vigilância Sanitária ou a Prefeitura da sua cidade.

 

2 – Aplique Larvicidas

Nos locais onde há muitos focos de água, geralmente são feitas aplicações de Larvecidas, ou seja, produtos químicos que eliminam os ovos e as larvas. Essa aplicação deve ser feita por profissionais treinados e depende da quantidade de larvas encontradas.

É válido mencionar que além da dengue, o Aedes aegypti também é responsável por transmitir outras doenças como a Zica e Chikungunya.

 

3 – Evite ser picado pelo mosquito

Algumas medidas podem evitar que você seja picado pelo mosquito, maneira de transmissão da dengue.

  • Se estiver tendo uma epidemia na sua cidade, opte por usar calça e camisetas de manga comprida;
  • Passe repelente diariamente nas áreas que ficam expostas do corpo, como rosto, orelhas e pescoço;
  • Coloque janelas de proteção em todas as janelas da casa;
  • Evite ir em locais com epidemia de dengue.

 

4 – Tome a vacina da Dengue

Já está disponível no Brasil a vacina que protege o corpo contra a dengue, é indicada para pessoas até 45 anos e que já tiveram a doença várias vezes ou moram em locais com muitos casos. Esta vacina não é disponibilizada pelo SUS e só pode ser adquirida em clínicas particulares.

É importante lembrar que a dengue é uma doença viral que tem como sintomas febre, indisposição e dores nos músculos e atrás dos olhos.

 

Categorias
Blog

Evite o aparecimento de escorpiões durante esse verão

Quais cuidados tomar para que não ocorra o aparecimento de escorpiões no verão?

Cuidados devem ser tomados para que não ocorra o aparecimento de escorpiões nas residências no verão. Por ser uma estação com clima quente e úmido, favorece a reprodução dos escorpiões. Com a chegada das chuvas, essa espécie busca por locais mais quentes e seguros para se abrigarem, muitas vezes ocorrendo de entrarem nas residências, o que desencadeia acidentes. O município Assis Chateaubriand localizado no paraná registrou em uma força tarefa de noite 120 escorpiões.

O que fazer para se proteger?
É recomendado que ocorra sempre um cuidado com o lixo residencial. Além disso, evitar o acúmulo de resíduos em quintais ajuda na prevenção. Caso haja suspeitas de escorpiões na sua residência o indicado é alertar profissionais qualificados que avaliarão a melhor alternativa para proteger o ambiente.

Fonte: O Presente

Categorias
Blog

Cresce numero de casos confirmados de Dengue no Paraná

O Paraná ultrapassa mais de 300 casos confirmados de Dengue


O boletim divulgado pela secretaria de saúde do Paraná mostra que no dia 26 de outubro o número de casos de dengue em investigação chegou a 1.785.
Os seguintes municípios foram os que mais tiveram casos: Londrina (6), Foz do Iguaçu (3), Colorado (2), Mandaguaçu (1), Paraíso do Norte (1), Pérola (1) e Roncador (1).

Não houve casos de morte

De acordo com o boletim, não houve casos de morte no estado. O estado totaliza 6.736 notificações para a dengue, três casos confirmados de Chikungunya e nenhum caso de Zika vírus.

 

Fonte: g1

Categorias
Blog

Conheça algumas das espécies de formigas comuns no Brasil

As formigas são os insetos que têm o maior número de espécies. Estima-se que são cerca de 20 mil espalhadas pelo mundo, que compartilham várias características.

Vivem em colônias, trabalham em equipe e sua anatomia é parecida em todas as espécies, com divisões em três partes: cabeça, tórax e abdômen. Além disso, possuem um par de olhos, que detectam movimentos, antenas, para procurar por alimentos, e um par de mandíbulas, usadas para defesa, escavação e captura de comida.

No entanto, existem diversas diferenças entre cada espécie de formigas comuns em solo brasileiro. Abaixo listamos as principais delas:

Formiga-de-fogo

Espécie comum nas cidades, a formiga-de-fogo é uma praga comum em diversos lugares do mundo e, atualmente, é um dos insetos mais estudados por especialistas.

Atraída por carnes ou óleos, é agressiva e tem uma picada dolorosa, que pode causar alergias. Os formigueiros dessa espécie são encontrados, geralmente, em gramados abertos ou beiras de estradas e as colônias podem ter mais de uma rainha.

Formiga-carpinteira

Como o nome já indica, esta espécie de formiga deteriora madeira para construir seus ninhos. As operárias têm coloração que varia do amarelo ao preto e preferem se alimentar com comidas doces.

São extremamente fortes – quando se sentem ameaçadas, costumam picar – e preferem formar suas colônias em lugares como troncos de árvores ou madeiras apodrecidas. No entanto, esse fator não as impede de se alocar nos espaços entre pisos de decks de madeira, embaixo de móveis e em rachaduras de paredes.

Formiga-saúva

Também conhecidas popularmente como formigas-cortadeiras, cabeçudas e tanajura, variam em tamanho, já que existem mais de 200 espécies que se encaixam dentro da categoria dessa formiga.

Os formigueiros da saúva, localizados no meio de campos e lavouras, são reconhecíveis devido à abundância de terra utilizada para a sua formação. O principal alimento dessa espécie é um fungo criado a partir de pedaço de folhas cortadas pelas operárias. Todos os pedaços de plantas obtidos por elas são levados até o formigueiro e servem de substrato para o cultivo do fungo que as alimenta.

Formiga-fantasma

Essa espécie é muito pequena, com cerca de 1,5 milímetro de comprimento. Seu nome foi dado a partir de sua aparência, com o interior transparente e patas muito claras, quase imperceptíveis.

A reprodução das formigas–fantasmas é muito acelerada e são adaptáveis a diversos tipos de ambientes, tanto dentro quanto fora de casa. Seus lugares favoritos são atrás de azulejos, batentes e rodapés.

Graças a seu tamanho, as formigas podem parecer inofensivas, mas esses insetos também representam ameaças. Por serem pequenas, andam pelas mais diversas superfícies e trazem consigo diversos germes e vírus que que podem transmitir doenças como gripe, tuberculose, intoxicações alimentares, vômitos e diarreias.

Proteja o bem-estar da sua família com a Dteca. Solicite um orçamento agora!

 

Categorias
Blog

Revoada de cupins: saiba mais sobre essa praga

A primavera está chegando e com ela a temporada de revoada de cupins. Uma colônia desses insetos é capaz de destruir a estrutura de um móvel, pisos, portas e janelas em questão de meses, e nem todas as pessoas sabem que soluções simples podem evitar dor de cabeça e gastos extras.

Abaixo listamos algumas curiosidades, fatos e dicas de prevenção contra o ataque dos cupins:

Qual é a época de revoada dos cupins?

A primavera, que, neste ano, vai de 22 de setembro a 21 de dezembro. As revoadas podem se estender mais algumas semanas, pelo verão.

Por que a revoada ocorre?

Porque os cupins reprodutores, machos e fêmeas, deixam a colônia para acasalamento. Eles criam asas e voam na busca de parceiros. Os casais, já no solo, procuram um local para formar a nova colônia.

Aleluia, siriri e cupim são a mesma coisa?

Aleluia, ou siriri, é o nome dado ao cupim em sua fase alada.

Quais são os tipos de cupins?

Há várias espécies, três delas mais comuns nas cidades: o cupim arbóreo, o de madeira seca e o subterrâneo. Este último é o mais perigoso e causa mais danos às madeiras dentro de casa.

Qual o período do dia em que há mais riscos?

Geralmente à noite, porque os insetos são atraídos pelas luzes das casas e invadem os imóveis em grupos.

Cupim come cimento?

Não. O inseto pode, porém, excepcionalmente, “abrir caminho” por estruturas menos duras de alvenaria. O pó de cimento deixado para trás criou esse mito.

Cupim come livro ou roupa?

Sim. Há espécies que comem celulose (livros, jornais, papéis, papelão) e até alguns tipos de tecidos.

Quais as melhores formas de prevenir a infestação de cupins?

1) Colocar telas nas portas e janelas de casa

2) Escolha madeiras tratadas em autoclave e mais resistentes

3) Use cupinicida preventivo: há produtos específicos no mercado para evitar infestações em forros, estruturas, móveis, esquadrias e pisos

4) Envernize sempre os móveis e outros itens de madeira para oferecer proteção extra contra ataques

5) Não acumule objetos de madeira, como caixas e móveis velhos, nem livros ou papéis em um canto ou quarto da casa

6) Promova a dedetização regular de sua casa

fonte: Bem Paraná

 

Categorias
Blog

Cuidados a serem tomados na dedetização residencial

A dedetização residencial é um passo certeiro na prevenção contra o aparecimento de pragas e na preservação do bem-estar da sua família.

No entanto, existem algumas medidas e cuidados que precisam ser tomados para que a dedetização seja verdadeiramente eficiente ao longo prazo, como criar barreiras físicas nos possíveis locais de entrada dos insetos, eliminar a sujeira e conservar os alimentos em locais bem fechados.

Em alguns casos, como o tratamento de pulgas, carrapatos e cupins, há a necessidade de ficar afastado por no mínimo 6h. Já em relação à dedetização residencial que utiliza líquidos, algumas medidas devem ser tomadas antes e depois da realização do serviço:

  • Todos os animais domésticos, incluindo peixes em aquários, devem ser afastados por até 48 horas;
  • Mínimo de 6 horas afastados do imóvel;
  • Alérgicos, idosos e grávidas devem ficar afastados por 24 horas do local tratado;
  • Jogue fora materiais e objetos que não são mais úteis, especialmente se estiverem guardados em despensas e áreas de serviço, locais que são focos comuns de pragas;
  • Desative a ventilação mecânica da casa como ar-condicionados, ventilador a até filtro de ventilação de aquários e viveiros, porque  partículas de inseticidas podem ficar retidas nesses lugares.

Ao tomar essas medidas, sua casa está pronta para o serviço de dedetização da Dteca! Solicite um orçamento agora!

Categorias
Blog

Saiba mais sobre os escorpiões

O corpo dos escorpiões é igual ao das aranhas, com uma única diferença: o abdome é dividido em duas partes, pré-abdome e pós-abdome. No pós-abdome, encontra-se a glândula que produz o veneno, que o animal injeta na vítima com um aguilhão.

O maior de todos os escorpiões pode atingir até 21 cm e o menor chega no máximo a 12 mm quando adulto.

Os escorpiões se destacam entre os aracnídeos por terem uma duração de vida que vai além de uma estação. Sua longevidade vai dos 2 aos 6 anos. O maior tempo de vida registrado para um escorpião chega até 8 anos.

Os escorpiões podem viver tanto em lugares desertos quanto nas matas. Vivem também debaixo de pedras, tijolos, telhas e nas fendas das árvores. Acumular entulhos de obras e lixo em quintais e terrenos baldios onde se propaga insetos que constituem um ótimo ambiente para os escorpiões que encontram uma dieta constituída de: aranhas, baratas, grilos e moscas. Quando não encontra comida, os escorpiões praticam o canibalismo, isto é, devoram-se uns aos outros.

O atributo mais notório de um escorpião é seu ferrão venenoso. O veneno dos escorpiões é neurotóxico. Sua ação é muito rápida e forte. A dor é intensa se irradiando por todo o corpo da vítima. Agindo especialmente sobre o sistema nervoso, pode causar a morte por asfixia, pois os comandos que controlam a respiração ficam bloqueados. O soro anti-escorpiônico é o único remédio eficaz contra as ferroadas dos escorpiões. Todas as espécies de escorpião são venenosas.

Entre as cerca de 1050 espécies conhecidas, apenas um pequeno número é perigoso para os seres humanos a maioria produz uma reação semelhante à da ferroada da abelha, que é muito dolorosa, embora geralmente não ofereça perigo de morte.

Para os insetos, que são alimento potencial de escorpiões, todos os escorpiões são mortalmente venenosos.

fonte: Fio Cruz